O copo está caindo.

por Lequinho Maniezo

O copo está caindo amor, vê

A luz batendo no vidro, a cor

Azul, flores numa coroa

De escopos contra a têmpora do

Morto, a testa suando, o jogo

Dum autorretrato eu jogo-o

 

Preste atenção neste terminal

O barulho que vem é um teste

Estamos surdos, resposta errada

Deste tudo, deste nada, correção

Mal falei já me arrependo, espere.

 

Reaprendi cá, recuperei-me

Até que, enfim, eu, na solidão

Errando o tom da fala, na sã

Consciência, é preciso ter

Consciência, perdi-a, calma!

 

O copo quebrou amor, repare

Não tente conserta-lo, não cole

“Não cole”… dissemos de pronto

Posto que prontos, dispares, me

dispare contra minha têmpora.

 

Trates pelo chão, o maior respeito

Pois espalharam-se totalmente

Pegue suas meias pelo quarto

Sua bolsa, coloque os sapatos

Não deixe, em vão pistas, não tente.

 

É a segunda vez, amanhã

Um demônio sai dos pedaços

Vou repetir o ato que fez

A vida, só imaginação

Foi tudo uma grande aventura.

 

Em tempo…